Histórias B Tendências

O caminho da Movida para ser carbono neutro até 2030

corredor do araguaia

Entenda como a Movida planeja cumprir a meta de ser uma empresa carbono neutro até 2030 e saiba como essa jornada reflete em diferenciais para a marca

O setor de transportes responde por 14% das emissões globais de carbono. Desses, 60% vêm de veículos leves e do transporte rodoviário. O Brasil destaca-se negativamente por ser o quinto país mais poluidor, segundo dados do Climate Watch. “Essa é a década da ação. É tudo muito urgente. Precisamos criar metas ousadas e agir rapidamente. Não podemos esperar que só os governos e os grandes players ajam”, disse Renato Franklin, CEO da Movida, em palestra na Cúpula Global do Clima*.

A fala é sobretudo, um reconhecimento da responsabilidade de uma empresa inserida em um dos mercados mais poluentes do mundo em mudar o que não pode continuar a ser a regra dominante.

Renato lembra que “se a indústria fizer uma transformação, esses dados podem ser melhorados. A transição do carro próprio para o carro alugado é um ponto importante”, alerta.

Renato Franklin - CEO da Movida
Renato Franklin

Essa tendência, que surge inspirada por novos comportamentos de consumo, de fato já pode ser percebida. Em muitas cidades europeias, por exemplo, é possível alugar motos e carros elétricos compartilhados, que ficam pelas ruas à disposição de quem possui o app. É inegável que a eletrificação do setor automotivo é um caminho sem volta. E ela vem acompanhada pela economia compartilhada.

Tal contexto de adoção em escala de veículos elétricos e de pessoas optando por alugar carros ao invés de comprar podem nos fazer olhar com mais otimismo para um dos setores mais críticos quando o assunto é emissão de gases de efeito estufa (GEE).

O caminho da Movida para ser carbono neutro até 2030

A Movida criou uma agenda climática com o objetivo de ser uma empresa carbono neutro até 2030 e carbono positivo em 2040.

Para isso, há diversos projetos e metas já em vigor. Eles vão desde o plano de garantir 100% do abastecimento de lojas e escritórios com energia renovável ainda em 2021 até um surpreendente projeto de regeneração ambiental.

Em seu Relatório Integrado 2020, que apresenta resultados financeiros e não financeiros (ambientais, sociais, operacionais e de governança), a Movida conta que as emissões que não podem ser evitadas são neutralizadas por meio de investimentos em projetos de sequestro de carbono com geração de benefícios sociais e ambientais – como projetos de reflorestamento com impacto positivo, por exemplo. “Além do sequestro de carbono, essas iniciativas promovem também a recuperação da biodiversidade e a geração de empregos e renda local”, revelou Renato.

Trajetória Movida carbono neutro 2030

Leia também:
Como pequenas empresas podem ajudar a combater a crise climática
O que é rotulagem climática e por que sua empresa deve se preocupar com isso

Carbon Free: plantio de árvores para compensar emissões de cada aluguel 

Carbon Free é um programa em que o cliente Movida pode escolher neutralizar as emissões geradas durante a locação do veículo, por meio de um projeto de restauração florestal.

Funciona assim: se o cliente optar por contratar o Carbon Free (ao custo de R$ 1 por diária), a Movida calcula a quantidade de CO2 emitida durante a locação e, a partir disso, realiza o plantio de árvores para compensar as emissões.

O que torna a iniciativa interessante é que a empresa não planta árvores aleatoriamente, mas apoiando um projeto ambicioso de regeneração ambiental conduzido por uma ONG holandesa. 

O plantio das mais de 57 mil árvores que foram custeadas pela Movida nos últimos 10 anos é gerenciado pela Black Jaguar Foundation (BJF), que possui um projeto único: a implementação do Corredor de Biodiversidade do Araguaia. Em um trecho de 2.600km, mais de 1.7 bilhões de árvores nativas estão sendo plantadas em propriedades particulares entre a Amazônia e o Cerrado. 

“Vale destacar, inclusive, que o projeto ajudou a aumentar o engajamento dos clientes no Carbon Free. Além disso, nossos funcionários também enxergam o propósito e propagam entre os clientes. Se só plantamos árvores, isso não chega forte na linha de frente. Como o Corredor beneficia muita gente e muitos setores, benefícios intangíveis fortalecem a causa e aumentam o engajamento.

corredor do araguaia e movida

Os benefícios indiretos de a Movida ter uma agenda climática

Segundo Renato, muitos gestores questionam a relação custo-benefício do investimento para tornar a Movida uma empresa carbono neutro até 2030. A resposta dele é clara: “O payback é muito grande e rápido. O primeiro retorno é o engajamento da equipe. Descobrimos que tínhamos muito mais gente envolvida do que imaginávamos. Desde o corporativo até o pessoal da loja. O engajamento é mais rápido e maior do que imaginávamos”, revela.

Mas não é só isso. Na visão do CEO, além de ser o melhor programa de atração e retenção de talentos, a preocupação com o impacto no planeta é, atualmente, o único jeito de ter clientes e investidores – ao lado da Natura, a Movida forma o restrito grupo de empresas B de capital aberto.

“É um caminho sem volta e muito mais urgente do que parece. Alguns enxergam como marketing, mas é algo muito mais necessário do que um diferencial competitivo. Temos que ter uma agenda climática por propósito, porque queremos, mas também porque é a única forma de manter um negócio no futuro. Só precisamos dar o primeiro passo, ter ousadia, ter consciência de que temos que pensar grande e fazer diferente do que fazíamos”, completou.

Ou seja, fica nítido que a agenda climática da Movida, que permeia a certificação B e projetos como o Corredor do Araguaia, é, sobretudo, parte de uma visão de gestão e construção de uma empresa resiliente para o futuro.

Conscientização é a agenda mais importante 

Renato também comentou sobre um benefício indireto e que extrapola os limites do CNPJ quando uma empresa decide levar a sério uma agenda climática…

“Quando um grupo empresarial decide seguir o caminho da sustentabilidade, isso tange e permeia todas as famílias de pessoas que trabalham nele. Assim, vamos modificando essa consciência e modificando o capitalismo. Os nossos hábitos como consumidores farão as empresas perceberem que não tem como oferecer um produto sem pensar no impacto dele no planeta e na sociedade. Se a gente, enquanto consumidor, mudar hábitos e olhar para o impacto de nossas escolhas, vamos acordar empresários e governantes”, concluiu.

Ao fim de sua apresentação, Renato resgatou uma frase de Yann Arthus-Bertrand, documentarista e ativista francês que disse, certa vez: “É tarde demais para sermos pessimistas”. 

E sua empresa, já possui uma agenda climática? 

Saiba mais:

*Este artigo faz parte da cobertura da primeira Cúpula Global do Clima, evento organizado pelo Sistema B e pelo B Lab, que aconteceu entre 29/06 e 01/07/21. Assine nossa newsletter para receber todas as atualizações

Receba nossa newsletter

 

João Guilherme Brotto

Jornalista e co-fundador de A Economia B e sócio da Handmade Content. Há 12 anos trabalho com comunicação empresarial, marketing de conteúdo e jornalismo de negócios.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário