Histórias B

O impacto da pandemia de Covid-19 na educação (ODS 4)

pandemia educação ods 4
Imagem: Marlene Bergamo/FolhaPress

As medidas de prevenção contra a pandemia do novo coronavírus estão afetando o desenvolvimento social e educacional de crianças e jovens ao redor do globo. Saiba como a lacuna digital tem afetado estudantes em situação de vulnerabilidade. Além disso, conheça organizações que estão agindo para levar educação para quem mais precisa.

pandemia educação ods 4

Este conteúdo faz parte da série Pandemia de Covid-19 e os ODS. Clique aqui e confira todos os artigos sobre o impacto dessa crise na Agenda 2030 já publicados.  

No final de 2019, milhões de crianças e adolescentes ainda estavam fora das salas de aula. Além disso, mais da metade dos estudantes que frequentavam a escola não cumpriam os padrões mínimos de proficiência em leitura e matemática. 

Até então, a previsão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) era que, globalmente, um em cada seis cidadãos entre 6 e 17 anos ainda estivesse fora da escola em 2030. Ou seja, mesmo antes da propagação da Covid-19, o quarto objetivo da Agenda 2030 estava longe de ser alcançado…

Leia também!
Evolução dos ODS: Educação de qualidade e Igualdade de gênero

No entanto, com a pandemia global, o cenário pode se agravar. 

O fechamento temporário das escolas vem impactando a aprendizagem e o desenvolvimento social e comportamental de crianças e jovens ao redor do globo. A ONU alerta que isso está afetando mais de 90% da população estudantil do mundo (1,6 bilhão de crianças e jovens). 

Porém, nem todos os estudantes são afetados da mesma maneira… 

Em outras áreas já exploradas na série que trata dos impactos da pandemia nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), ficou claro que essa crise está evidenciando ainda mais as desigualdades sociais no Brasil e no mundo. 

Da mesma forma, quando se trata do quarto ODS – que defende o acesso à educação de qualidade para todos –, também é possível perceber que a pandemia evidenciou ainda mais o contraste entre as realidades de estudantes de diferentes camadas da sociedade. 

Neste artigo, vamos a fundo nessa questão e analisaremos: 

  • Como a falta de recursos financeiros e tecnológicos está prejudicando de forma desigual crianças e adolescentes que não conseguem acompanhar as aulas remotamente.
  • As principais dificuldades de alunos e professores durante esse período.

Ao final, apresentaremos algumas instituições que estão agindo para ajudar a amenizar esse problema. Você vai conhecer empresas e ONGs que estão contribuindo para que estudantes de comunidades mais pobres tenham acesso a esse direito fundamental, mesmo durante a pandemia.

A brecha digital e as desigualdades na educação de jovens e crianças 

pandemia educação ods 4
Imagem: Zahara Abdul/Unicef

Quando as escolas tiveram que fechar, a resposta automática das instituições foi oferecer aulas remotas por meio de ferramentas online. Contudo, para muitos estudantes, essa não é uma opção viável. É o caso de crianças e adolescentes de comunidades vulneráveis. Afinal, aqueles que vivem em áreas remotas, em pobreza extrema ou em campos de refugiados, não têm acesso à internet ou mesmo computadores ou tablets. 

Em um relatório especial sobre os impactos da pandemia, a ONU alertou que “a brecha digital ampliará as lacunas existentes em termos de igualdade na educação”.
A entidade estima que mais de meio bilhão de estudantes estão deixando de receber educação durante a pandemia, por conta da falta de acesso à internet. 

As crianças da escola primária são as principais afetadas globalmente.

Estudantes dessa fase correspondem a quase 70% dos que estão fora da escola ao redor do mundo. Durante a pandemia, cerca de 60% das crianças que deveriam estar na escola primária deixaram de receber educação. Com isso, a ONU prevê que o nível de estudantes dessa fase fora da escola em 2020 deve retroceder aos mesmos indicadores de 1980. 

No Brasil, a falta de acesso à internet também é um entrave na educação de milhares de jovens e crianças.

Nos últimos anos, os índices de atendimento escolar a crianças e adolescentes apresentou melhoras no país. Porém, antes da pandemia, cerca de 1,9 milhões de brasileros com idade escolar ainda estavam fora das salas de aula. 

Agora, a desigualdade no acesso às aulas remotas ameaça agravar esse cenário. 

Veja alguns dados que comprovam o impacto da lacuna digital na educação no Brasil: 

  • 20 milhões dos domicílios no Brasil não possuem acesso à internet.
    Fonte: Levantamento feito pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), em 2019.
  • 39% dos estudantes de escolas públicas urbanas não têm computador ou tablet em casa. Em contrapartida, para os estudantes de escolas particulares, o índice é de 9%.
    Fonte: Estudo sobre o uso de tecnologia na educação, desenvolvido pelo CGI.br
  • 4,8 milhões de crianças e adolescentes entre 9 a 17 anos (ou seja, 17% dos cidadãos dessa faixa etária) não têm acesso à internet em casa.
    Fonte: Análise do CGI.br que avaliou o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil
  • Mesmo entre os alunos que dizem ter acesso à internet, a falta de ferramentas adequadas pode prejudicar o ensino a distância. Em um mapeamento nacional com estudantes da rede pública municipal, a União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) descobriu, por exemplo, que 46% dos estudantes acessam as aulas online apenas por celular, o que pode limitar a experiência de aprendizado.

Outros entraves para a educação durante a pandemia

pandemia educação ods 4
Imagem: Vinay Panjwani/Unicef

A mudança brusca nos métodos de ensino está afetando tanto alunos quanto professores que não estavam preparados para essa súbita transferência das aulas para o ambiente online. 

Tanto é que, em um estudo feito com 33,6 mil estudantes no Brasil, 30% disseram já ter cogitado deixar a escola este ano. Entre os que planejam fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), 49% já pensaram em desistir de fazer a prova. 

O relatório Juventudes e a Pandemia do Coronavírus, feito pelo Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), identificou também que entre as principais dificuldades dos estudantes durante a pandemia estão: 

  • A questão emocional – medo, ansiedade e estresse têm atrapalhados os estudos.
  • Dificuldade de se organizar para estudar remotamente.
  • Dificuldade em interagir para tirar dúvidas com os professores.
  • Falta de um ambiente adequado para estudar.

Além disso, outra questão relevante identificada na pesquisa foi a diminuição de renda pessoal dos estudantes e de suas famílias – 49% relataram que a renda familiar diminuiu e 33% disseram que suas rendas próprias também caíram. 

Consequentemente, 3 em cada 10 jovens relataram que tiveram que buscar alguma atividade extra para complementar a renda. Esse cenário é preocupante, pois, mesmo antes da pandemia, a necessidade de trabalhar já era um dos principais motivos de evasão escolar entre estudantes brasileiros.

Todavia, a carga emocional também tem afetado diretamente os educadores. Uma pesquisa com 2.400 professores da educação básica apontou que: 

  • 67% dos educadores se sentem ansiosos;
  • 35% se sentem sobrecarregados;
  • 34% estão estressados.

Entre as razões que pesam na saúde mental dos professores estão a preocupação com a saúde própria e a dos familiares, além dos obstáculos que eles estão enfrentando nesse novo modelo de educação remota.

Aliás, 88% dos professores entrevistados disseram nunca ter dado aulas online antes da paralisação das escolas por conta da pandemia. Além disso, quase todos afirmaram que se sentem pouco ou nada preparados para essa atividade.

A falta de apoio das escolas também contribui para a carga emocional dos educadores. Afinal, 75% não estão recebendo suporte psicológico e 55% afirmaram não ter recebido nenhum tipo de treinamento para dar aulas remotamente.

E ainda, somado a esses obstáculos, o estudo desenvolvido pelo Instituto Península também identificou que muitos professores estão tendo dificuldades porque precisam compartilhar seu computador com a família – o que atrapalha o desenvolvimento de suas atividades pedagógicas.

A pandemia e o financiamento da educação

pandemia educação ods 4
Imagem: Pixabay

Diante desse cenário, surgem questionamentos sobre como o setor educacional poderá ser afetado no futuro. 

De acordo com especialistas do Instituto Internacional de Planejamento Educacional (IIEP), essa crise impactará o financiamento à educação globalmente da seguinte maneira:

  • Na diminuição de gastos com educação durante a pandemia, bem como o custo adicional resultante dela;
  • E na desaceleração dos futuros recursos financeiros disponíveis para o setor educacional.

No Brasil, especialistas já alertam para uma diminuição drástica dos fundos educacionais. “Estamos vendo uma potencial redução entre R$ 24 bilhões e R$ 58 bilhões de receitas vinculadas à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, num cenário em que as despesas para o enfrentamento da pandemia estão aumentando”, ressaltou Lucas Fernandes, gerente de estratégia política do Movimento Todos pela Educação, em entrevista à Agência Brasil.

Nesse sentido, uma boa notícia é que, após cinco anos de debates intensos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que torna o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) permanente foi aprovada na Câmara de Deputados.

Agora, o projeto aguarda a votação no Senado para ser colocado em prática.

Até o fechamento desta matéria, a data prevista para a votação no Senado era 18 de agosto.

Criado em 2007, o Fundeb é formado por parcelas de impostos estaduais e municipais e recebe 10% de complementação da União. Esse é o principal mecanismo de financiamento da educação básica no país. Atualmente, a cada R$ 10 utilizados pelas redes públicas, R$ 4 vêm do Fundeb.

No entanto, o problema é que o fundo atual tem validade até o final deste ano. Se o novo Fundeb for aprovado, além de se tornar permanente, o governo federal passará a responder por 23% do total dos recursos desse fundo, que vai aumentar gradativamente durante seis anos. Ou seja, essa aprovação pode garantir o acesso à educação para milhares de jovens nos próximos anos.

Para se ter uma ideia, cada ponto porcentual a mais aprovado representará cerca de R$ 1,5 bilhão destinado para a educação. Isso permitirá atender mais 17 milhões de estudantes e reduzir as desigualdades nas redes públicas. 

Esse aumento da participação do governo federal no Fundeb será ainda mais crucial no pós-pandemia. Afinal, por conta da recessão econômica gerada pela crise da Covid-19, a arrecadação de impostos (uma das principais fontes de receita do fundo) caiu significativamente no início deste ano, conforme análises do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Sendo assim, o financiamento do Fundeb também foi prejudicado.

Como o poder privado pode contribuir para o avanço da educação 

É dever do poder público garantir a todos os cidadãos o acesso à educação de qualidade. No entanto, o poder privado também pode contribuir para essa causa. 

  • As empresas podem, por exemplo, utilizar seus recursos e suas competências para agir em parceria com governos e outras instituições para promover mais acesso à educação.
  • Além disso, negócios de todos os tamanhos podem gerar mais oportunidades de aprendizado para seus colaboradores por meio, por exemplo, de apoio financeiro e oferecimento de capacitação.

As empresas que apresentamos a seguir são bons exemplos neste sentido. Elas estão agindo para amenizar os impactos da pandemia do quarto ODS e têm ajudado a expandir o acesso à educação em todas as camadas sociais. Inspire-se nessas histórias!

Ericsson

pandemia educação ods 4

Em resposta aos impactos da pandemia na educação e no aprendizado em todo o mundo, a Ericsson se juntou à Coalizão de Educação Global liderada pela UNESCO e lançou o Ericsson Educate, um programa digital que oferece conteúdo de aprendizagem online focado em melhorar as habilidades digitais de alunos do ensino médio e de universidades.

Ao mesmo tempo, a empresa continua com o projeto Connect To Learn (sobre o qual falamos aqui). Por meio dessa iniciativa, a marca usa seus próprios serviços para impulsionar a educação, fornecendo bolsas de estudos e tecnologias da informação para escolas em áreas remotas e pobres do mundo.

T-Mobile

pandemia educação ods 4

Com programas que oferecem acesso à internet a estudantes em situações vulneráveis, doações de celulares e também oferecendo pacotes de dados acessíveis para escolas, a T-Mobile já vinha contribuindo para diminuir a divisão digital nos Estados Unidos. 

Porém, para expandir sua contribuição, a empresa se uniu ao The 1 Million Project – projeto que visa ajudar um milhão de alunos que não têm acesso confiável à internet em casa, dando-lhes dispositivos móveis e acesso online de alta velocidade. Agora, o objetivo da T-Mobile é expandir ainda mais o programa, ajudando 10 milhões de estudantes. 

Google

pandemia educação ods 4

A Plataforma Google For Education oferece acesso gratuito a diversos materiais informativos e treinamentos para professores sobre como manter os alunos envolvidos por meio do ensino a distância. Além de poderem utilizar ferramentas como chamadas em voz e vídeo, gestão de aprendizagem, apresentações e documentos online, os educadores têm acesso a uma série de tutoriais sobre como utilizar tais funcionalidades.

Além disso, recentemente, o Google lançou também Ensine em Casa, uma central de informações, dicas, treinamentos e ferramentas para ajudar os professores, as escolas e as famílias na educação remota.  

Causas para apoiar 

Além de desenvolver programas próprios que visam impulsionar a evolução do acesso à educação, outra maneira de as empresas contribuírem com essa causa é por meio do apoio a instituições que atuam nessa área. 

A seguir, conheça o trabalho de três ONGs que estão ajudando a levar mais educação para quem mais precisa nesse momento, ajudando a minimizar o impacto da pandemia no ODS 4. 

Gerando Falcões

Gerando Falcões

Esta ONG criou um plano que garante acesso à internet para jovens da periferia durante a quarentena. A partir de doações mensais de R$ 49,90, pessoas e empresas podem patrocinar uma bolsa digital, que vai fornecer 6GB de internet para estudantes em vulnerabilidade continuarem estudando. Além disso, a bolsa também inclui acesso a um aplicativo com aulas nas áreas de formação emocional, reforço escolar, preparação para o ENEM, cultura e apoio ao microempreendedor. 

Clique aqui e saiba como colaborar. 


Plug Doações

Plug Doações

Esse projeto tem o intuito de ajudar a diminuir a divisão digital entre crianças e adolescentes de todo o Brasil. A plataforma online conecta estudantes que não possuem computador para estudar a pessoas e empresas que têm aparelhos sobrando em casa e gostariam de doar. Além disso, a Plug também aceita doações em dinheiro para a compra de equipamentos. 

 Clique aqui e saiba mais como apoiar essa causa. 


Instituto Ayrton Senna

Instituto Ayrton Senna

Em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), o Instituto Ayrton Senna lançou um programa de formação de competências socioemocionais para contextos de crise. O projeto visa capacitar famílias e educadores a desenvolverem habilidades socioemocionais na educação durante a crise da Covid-19. 

O programa ensina habilidades como persistência, assertividade, empatia, autoconfiança, tolerância a frustração, entre outras. Tais competências podem melhorar o aprendizado dos alunos e ser ferramentas importantes para lidar com a pandemia.  

 Clique aqui e saiba como ser apoiador do Instituto.


Todos juntos pela Agenda 2030

Sabemos que as notícias durante a pandemia não são as melhores. Sendo assim, o quarto objetivo da Agenda 2030 de assegurar a educação de qualidade para todos até o final da década pode parecer utopia. Certamente ainda há um longo caminho pela frente, cheio de desafios e obstáculos que precisam ser superados.

Contudo, é importante salientar que educação é uma questão fundamental para impulsionar o desenvolvimento sustentável global, além de ser crucial para resolver outros problemas sociais. Inclusive, por oferecer mais oportunidades iguais para cidadãos de diferentes camadas da sociedade, a educação de qualidade contribui diretamente para reduzir as desigualdades sociais.  

É inegável que este e vários outros ODS sofreram/estão sofrendo com a crise gerada pelo novo coronavírus. Porém, iniciativas como as que apresentamos aqui (e nos demais artigos desta série) mostram que é possível unir forças e, um passo por vez, chegar mais perto de atingir os objetivos traçados pela ONU. 

Por fim, queremos que as histórias apresentadas e as reflexões propostas por aqui o ajudem a encontrar formas de fazer a sua parte – seja individualmente, apoiando causas que levam mais educação a quem precisa, ou por meio de ações empresariais focadas nessa causa.

Juntos vamos sempre mais longe! 🌎💕

Então, conhece ou trabalha em alguma empresa que está agindo para amenizar o impacto da crise da Covid-19 no ODS 4? Deixe um comentário com sua indicação ou entre em contato conosco. Essa é uma lista viva e poderá ser atualizada com as suas sugestões.


Veja mais exemplos de empresas que estão agindo para amenizar os impactos da pandemia:

Para continuar recebendo as atualizações sobre essa série e de todos os nossos conteúdos, assine nossa Newsletter e nos siga no Instagram e no LinkedIn.

Francine Pereira

Jornalista, especializada em criação de conteúdo digital. Há mais de 10 anos escrevo sobre tendências de consumo, inovação, tecnologia, empreendedorismo, marketing e vendas. Minha missão aqui no A Economia B é contar histórias de empresas que estão ajudando a transformar o mundo em um lugar mais justo, igualitário e sustentável.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário