Histórias B

Reaproveitamento do lixo eletrônico: causa ambiental com propósito social

ReUrbi – Causa ambiental com impacto social

Conheça a ReUrbi, empresa B que ajuda organizações a descartarem lixo eletrônico de forma responsável ao mesmo tempo em que atua para diminuir a exclusão digital no Brasil 

Para onde vão seus equipamentos eletrônicos depois que você os descarta? Você sabe qual é o destino do seu PC antigo ou do seu notebook “bugado”?

No Brasil, existe uma legislação específica para a destinação desses itens: a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS, lei nº 12.305/10), que estabelece diretrizes para o descarte ambientalmente correto de resíduos eletroeletrônicos (REEE). De acordo com a lei, fabricantes, importadores e distribuidores são os responsáveis pelo recolhimento, pelo transporte e pela reciclagem desses tipos de produtos.

Essa é uma regulamentação importante porque, segundo o relatório E-waste Monitor 2020, o Brasil é o quinto maior gerador de lixo eletrônico do mundo. Além disso, o estudo aponta que só em 2019 foram geradas 53,6 milhões de toneladas de resíduos eletroeletrônicos no país. No entanto, apenas 17% destes resíduos tiveram descarte regulamentado e documentado…

Isso é um problema por vários motivos – dentre os quais, destacam-se, por exemplo:

1) O descarte irresponsável de REEE gera danos ao meio ambiente e à saúde das pessoas – afinal, solo, água e ar são contaminados por elementos tóxicos presentes nesses materiais.

2) Muitos dos componentes e materiais presentes nos eletroeletrônicos são desperdiçados, apesar de vários deles poderem ser reutilizados na produção de outros produtos – o que, consequentemente, evitaria operações que geram emissões de gases de efeito estufa.

3) Por fim, é cruel pensar que, ao mesmo tempo em que milhões de pessoas não têm acesso a informações, conhecimento e oportunidades por conta da exclusão digital, tantos computadores e notebooks são jogados fora.

Inclusive, neste sentido, um dado precisa ser destacado: segundo estimativas da pesquisa TIC Domicílios 2019, cerca de 47 milhões de pessoas não têm acesso à internet no Brasil.  Ou seja, um em cada quatro cidadãos! Portanto, esse é um problema ambiental com inegáveis impactos sociais.

Lições ReUrbi: menos emissões de carbono, mais inclusão digital

A ReUrbi é uma empresa B que nasceu em 2012 com o propósito de ajudar a resolver tanto o problema do descarte irresponsável de REEE quanto a exclusão digital.

Ronaldo Stabile, CEO e sócio-fundador da ReUrbi
Ronaldo Stabile

Em palestra na Cúpula Global do Clima*, Ronaldo Stabile, CEO e sócio-fundador da ReUrbi, explicou que a empresa oferece serviços de logística reversa de equipamentos de TI e Telecomunicações em desuso, ajudando organizações a estarem em conformidade com a PNRS.

Além disso, ele destacou o impacto social desse trabalho. “Milhões de equipamentos são descartados por ano. Se alongarmos a vida útil de 5% dos equipamentos descartados, conseguiremos fazer a inclusão digital de um milhão de pessoas por ano”, apontou.

Os equipamentos coletados pela ReUrbi passam por um inventário que avalia suas condições e os direciona para reciclagem ou para o processo de recondicionamento. Em seguida, a ReUrbi define como a vida útil desses equipamentos e/ou resíduos será prolongada – sendo que as opções são:

  1. Virar matéria-prima para a produção de outros produtos.
  2. Ser colocado à venda – caso o equipamento que passou pelo processo de recondicionamento seja considerado seminovo.
  3. Ser doado em comodato para instituições que atuam para promover a inclusão digital – aliás, parte da venda dos seminovos também é direcionada a esses projetos.

Leia também:

Conheça as 39 empresas B brasileiras que estão no ranking das melhores para o mundo

O Instituto ReUrbi e a inclusão sociodigital

Instituto ReUrbi de Inclusão Sociodigital

“Fomentar a inclusão social através da inclusão digital capacitando jovens no uso da tecnologia, democratizando o acesso à educação, possibilitando maior empregabilidade, empreendedorismo e inovação, geração de renda para um desenvolvimento econômico com redução das desigualdades sociais.”

Este é o propósito do Instituto ReUrbi, uma associação sem fins lucrativos que tem o objetivo de consolidar o modelo de negócio de Impacto Socioambiental da ReUrbi assumindo projetos sociais apoiados por empresas parceiras e clientes.

Atualmente, mais de 80 projetos de inclusão sociodigital são coordenados pelo Instituto. O objetivo é dobrar esse número até o final de 2023. Além disso, o Instituto ambiciona passar de 63 mil jovens atendidos para 117 mil neste mesmo período.

A seguir, apresentamos três dos projetos que já contam com a parceria do Instituto ReUrbi.

Projeto Paideia – Pró-Profissão em Tecnologia da Informação

O objetivo deste projeto é aumentar a empregabilidade de jovens de baixa renda. Para isso, estudantes que estão cursando ou que concluíram o Ensino Médio e têm entre 16 e 20 anos passam por um programa de capacitação de um ano nas áreas de microinformática, programação computacional básica e relacionamento profissional. Desde sua criação, em 2017, o Paideia já formou 90 alunos.

A USP é parceira do Instituto ReUrbi neste projeto.

Missão Intensidade

Este projeto fomenta o desenvolvimento comunitário e integral nos bairros da periferia da cidade de Mogi das Cruzes (SP). Com os 16 equipamentos da linha REMAKKER doados pelo Instituto ReUrbi por meio de uma parceria com a Movida, a Missão Intensidade espera conseguir formar mais de 300 pessoas em seu curso de capacitação profissional e colocar, no mínimo, metade delas no mercado de trabalho.

Voluntários do Sertão

Voluntários do Sertão é um mutirão de saúde e social que reúne profissionais voluntários e empresas parceiras para oferecer de forma gratuita acesso à saúde em cidades do sertão brasileiro. Desde o ano 2000, o projeto já realizou mais de 400 mil atendimentos, exames e procedimentos médicos, odontológicos e sociais.

Com os computadores doados pelo Instituto ReUrbi, os registros que antes eram feito manualmente passaram a ser computadorizados, o que trouxe mais agilidade e precisão ao processo. Assim, só no mutirão de 2019, foi possível realizar mais de 48 mil atendimentos em cinco dias.

Conheça outros projetos apoiados pelo Instituto ReUrbi de Inclusão Sociodigital aqui.

Leia também:

O caminho da Movida para ser carbono neutro até 2030

Impactos ambientais e sociais do trabalho da ReUrbi

Relatório de impacto socioambiental – ReUrbi

Jornada B

Segundo o fundador da ReUrbi, a certificação B reforçou a visão e o propósito da empresa em torno da justiça ambiental.

“Sou empresário há mais de 40 anos e aprendi uma coisa muito importante no Sistema B: toda empresa vive do social. Toda empresa vende seu produto ou serviço para a sociedade. Mas também precisamos pensar: o que devolvemos para a sociedade? Qual é o impacto que estamos gerando? É isso é que move as empresas B e é isso que move a ReUrbi”, concluiu Stabile.

Saiba mais sobre o trabalho da ReUrbi visitando o site da empresa.

*Este artigo faz parte da cobertura da primeira Cúpula Global do Clima, evento organizado pelo Sistema B e pelo B Lab, que aconteceu entre 29/06 e 01/07/21. Assine nossa newsletter para receber todas as atualizações.

Quer receber conteúdo sobre ESG, Agenda 2030 e negócios de impacto em seu e-mail?
Assine nossa curadoria de histórias, tendências, dicas e ferramentas pensada para a sua jornada B pessoal e/ou empresarial

Francine Pereira

Jornalista, especializada em criação de conteúdo digital. Há mais de 10 anos escrevo sobre tendências de consumo, inovação, tecnologia, empreendedorismo, marketing e vendas. Minha missão aqui no A Economia B é contar histórias de empresas que estão ajudando a transformar o mundo em um lugar mais justo, igualitário e sustentável.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário