Universo B

Como a pandemia de Covid-19 impacta na erradicação da pobreza (ODS 1)

pandemia e pobreza
© UNICEF/UNI335716/
A pandemia de Covid-19 pode levar até 400 milhões de pessoas para a pobreza extrema. Entenda o impacto dessa crise no ODS 1, que visa de acabar com a pobreza global, e conheça empresas que estão agindo para contribuir para essa causa.

pandemia e pobreza

Este conteúdo faz parte da série Pandemia de Covid-19 e os ODS. Clique aqui e confira outros artigos já publicados sobre o impacto dessa crise na Agenda 2030.  

Pessoas financeiramente vulneráveis são as mais afetadas pela crise de saúde e pela crise econômica gerada pela propagação do novo coronavírus. Quem vive em pobreza extrema não possui uma moradia adequada (com água e saneamento), não tem condições de praticar o isolamento social e não tem acesso a serviços básicos de saúde.  

Além disso, o desemprego em massa gerado por essa mesma crise pode agravar a situação socioeconômica de grande parte da população, levando milhares de cidadãos para a pobreza extrema e, assim, colocando-os em maior risco de contágio e sobrecarregando ainda mais o sistema de saúde.

Ou seja, o agravamento da pandemia de Covid-19 mexe diretamente com o ODS número 1: Erradicação da pobreza…

Covid-19 pode levar até 400 milhões de pessoas para a pobreza extrema

pandemia e pobreza
Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

O Banco Mundial prevê dois possíveis cenários para os próximos meses: um baseado na evolução atual da Covid-19 e outro levando em conta uma possível piora na evolução dos casos. 

– O cenário base pressupõe que o surto de Covid-19 permaneça nos níveis atuais e que a atividade econômica global se recupere ainda este ano (2020).
Já o cenário negativo presume que os surtos de Covid-19 permaneçam por mais tempo que o esperado, forçando a manutenção ou reintrodução de medidas de quarentena.

Antes da pandemia, 733 milhões de pessoas já viviam em extrema pobreza – ou seja, com menos de US$ 1,90 per capita por dia (ou renda mensal per capita inferior a R$ 145). Agora, segundo análises do Banco Mundial:

  • No cenário base, a pandemia global pode agravar esse quadro, levando mais 71 milhões de pessoas para a pobreza extrema.
  • Já no cenário negativo, mais 100 milhões de cidadãos passariam a viver nessa situação.

O prognóstico do Instituto Mundial das Nações Unidas para a Pesquisa em Economia do Desenvolvimento (UNU-WIDER) é ainda mais assustador.

A estimativa da entidade é que a pandemia pode levar até 400 milhões de pessoas para a pobreza extrema – fazendo com que, ao redor do globo, mais de 1 bilhão de pessoas vivam nessa situação. Se essa previsão se concretizar, isso pode significar uma reversão de 20 a 30 anos na redução da pobreza global.

Leia também: Evolução dos ODS: Erradicação da Pobreza e Fome Zero e Agricultura Sustentável 

Em um relatório especial sobre os impactos da pandemia nos ODS, a ONU alerta: 

“Mesmo antes da pandemia de Covid-19, o ritmo da redução global da pobreza estava desacelerando e havia sido projetado que a meta global de acabar com a pobreza até 2030 não seria alcançada. A crise atual está levando dezenas de milhões de pessoas de volta à pobreza extrema, colocando em risco anos de progresso.”

Marina Grossi
Marina Grossi

Inclusive, em entrevista recente ao A Economia B, Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), ressaltou que um dos grandes impactos da pandemia na Agenda 2030 está relacionados à pobreza extrema.

 “A vulnerabilidade da população que vive em submoradias, sem água encanada ou esgoto, que viaja apertada em transporte público e está acostumada a enfrentar longas filas para ser atendida no sistema de saúde, ficou evidenciada como um problema mais amplo, relacionado à nossa interdependência social e ambiental“, comenta a economista. 

➔ Confira a entrevista com Marina na íntegra:
O impacto da Covid-19 na Agenda 2030 e o futuro pós-pandemia

Empresas que estão agindo para combater a pobreza durante a pandemia 

O poder privado precisa assumir sua responsabilidade nesse cenário – seja contribuindo diretamente com o combate à pobreza, ou mesmo garantindo que suas próprias operações não agravem esse problema (oferecendo, por exemplo, condições de trabalho dignas e justas, que promovam saúde, bem-estar e segurança alimentar para seus funcionários).

Marcus Nakagawa
Marcus Nakagawa

Para Marcus Nakagawa, especialista em Gestão com foco em Sustentabilidade, as empresas são fundamentais para a recuperação da sociedade pós-pandemia. Ele afirma que os negócios serão o motor de reconstrução, focando em atividades, ações, produtos e serviços que realmente atendam a necessidades da população.

Em conjunto com os governos, as empresas precisam entender que as temáticas da Agenda 2030 são reais demandas da sociedade e que precisam, com muita inovação e criatividade, serem vencidas. Com isso, teremos uma sociedade mais justa, igualitária, com menos riscos de saúde, mais alinhada à natureza e ao seu ecossistema“, salienta o especialista, em entrevista ao A Economia B.

➔ Confira a entrevista com Nakagawa na íntegra:
Retomada econômica precisa levar em conta questões sociais e ambientais contempladas nos ODS

A seguir, separamos exemplos de organizações que estão agindo para amenizar os impactos da pandemia no ODS 1:

Natura

Pandemia e ODS

A Natura está desenvolvendo algumas ações para apoiar a rede de consultoras que vendem seus produtos – evitando a propagação do desemprego, consequentemente, e a redução de renda.

Entre as ações nesse sentido, destacam-se, por exemplo:

  • Prorrogação do pagamento de boletos;
  • Redução de pedido mínimo;
  • Garantia de remuneração para a força de vendas.

Além disso, a Natura & Co América Latina (grupo que reúne as marcas Avon, Natura, The Body Shop e Aesop na região) se comprometeu a produzir 15 mil quilos de álcool em gel e 150 mil litros de álcool em solução 70% para serem doados para a Secretaria de Saúde de São Paulo. E ainda, a Natura e a Avon prometeram doar 2,8 milhões de unidades de sabonetes – em barra e líquido – para comunidades carentes na América Latina. 

Ou seja, não é só com o ODS número 1 que a Natura vem contribuindo. As iniciativas da empresa colaboram também para garantir o bem-estar das pessoas e comunidades carentes como um todo.

Veja

Pandemia e ODS

A marca de produtos de limpeza está promovendo duas iniciativas para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade. 

Por meio da campanha Veja com o Coração, a empresa visa ajudar trabalhadoras domésticas que tiveram seus trabalhos suspensos por conta do isolamento social. A empresa se comprometeu a doar R$ 1 milhão para esse público. Além disso, no site oficial da campanha, qualquer pessoa pode fazer doações a partir de R$ 5 para a causa. 

Em um post publicado no dia 2 de julho no Instagram, a marca revelou que cerca de mil trabalhadoras domésticas receberam um auxílio de R$ 500 e 14 mil kits de produtos, para ajudar durante o período de pandemia da Covid-19.

A Veja também está com uma ação paralela de doação de desinfetantes para entregadores do aplicativo Rappi e para comunidades carentes. Ao todo, serão cerca de 18 mil litros de produtos doados.

Construtora Pride

Pandemia e ODS

A construtora paranaense contratou familiares de seus colaboradores para produzir as máscaras necessárias para a proteção dos mais de 400 funcionários que continuam atuando em obras durante a pandemia. 

Além de garantir a proteção dos profissionais que atuam nas obras, essa ação está ajudando as famílias a terem uma renda extra para enfrentar a crise. 

“Algumas mães, sogras e conhecidas acabaram perdendo o emprego. Então, a Pride Engenharia decidiu fazer a contratação das pessoas que pudessem produzir máscaras para serem distribuídas em nossos canteiros, proporcionando renda a essas famílias e proteção aos colaboradores”, explicou o empresário Janderson Hellman, em nota. 

Conhece ou trabalha em alguma empresa que está agindo para evitar a propagação da pobreza durante a crise da Covid-19? Deixe um comentário com sua indicação ou entre em contato conosco. Essa é uma lista viva e poderá ser atualizada com as suas sugestões.

Erradicação da pobreza: um dever de todos

Uma pessoa, sozinha, não conseguirá acabar com a pobreza no mundo. Uma empresa, sozinha, também não. É necessário um esforço coletivo para que cada um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável seja alcançado até 2030.

Que as histórias que apresentamos aqui e as reflexões propostas ao longo do artigo o ajudem a encontrar formas de fazer a sua parte.

Veja mais exemplos de empresas que estão agindo para amenizar os impactos da pandemia:

Para continuar recebendo as atualizações sobre essa série e de todos os nossos conteúdos, assine nossa Newsletter e nos siga no Instagram e no LinkedIn.

Francine Pereira

Jornalista, especializada em criação de conteúdo digital. Há mais de 10 anos escrevo sobre tendências de consumo, inovação, tecnologia, empreendedorismo, marketing e vendas. Minha missão aqui no A Economia B é contar histórias de empresas que estão ajudando a transformar o mundo em um lugar mais justo, igualitário e sustentável.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário