Cobertura internacional

A economia regenerativa e a janela de oportunidade para o Brasil

Economia regenerativa e a janela de oportunidades para o Brasil

O que é economia regenerativa? Por que precisamos virar a chave da sustentabilidade para a regeneração? Quatro especialistas brasileiros apresentam exemplos e propõem reflexões que trazem luz a esse debate

*Este artigo faz parte da cobertura do B For Good Leaders Summit, evento que aconteceu em Amsterdam nos dias 11 e 12 de maio de 2023. Leia o primeiro texto da cobertura especial para entender o contexto.

A economia regenerativa e a janela de oportunidades para o Brasil – B For Good Leaders SummitUm dos principais desafios para engajar pessoas nas urgências ligadas à mudança do clima e às múltiplas consequências que derivam dela diz respeito à comunicação. Além de o assunto ser complexo, há muita desinformação, teorias conspiratórias e tentativas de ideologizar um debate que é, sobretudo, técnico.

Dentro de um contexto que os analistas do zeitgeist resumem como BANI (frágil, ansioso, não linear e incompreensível), o papel da imprensa e dos comunicadores é buscar formas de “traduzir” dados científicos e/ou socioeconômicos para uma linguagem que faça sentido para a vida das pessoas. Um exemplo está nas imagens abaixo.

À esquerda temos um gráfico que sinaliza o aumento da temperatura global nos últimos duzentos anos (incluindo sinalizações de eventos históricos para melhor contextualização). À direita, a evolução do PIB global no mesmo período. 

A economia regenerativa e a janela de oportunidade para o Brasil

A análise em duas linhas é “simples”: “enriquecemos” ao passo em que tornamos nosso planeta um lugar nocivo não apenas para a espécie humana, mas para todos os seres vivos. 

“Mas a pobreza diminuiu”, alguns dirão. 

Quando se analisa as linhas frias de um gráfico, isso de fato é verdade. Porém, as desigualdades e as consequências ambientais de uma economia que coloca o retorno financeiro como métrica absoluta não nos deixam esquecer de que algo está – muito – errado.

É nesse contexto que novas economias – como a economia regenerativa – e modelos de negócios eclodem.
Marcel FukayamaComo lembra Marcel Fukayama, um dos entrevistados do vídeo que você vai ver a seguir, “desenvolvimento sustentável não cabe na mesma frase no mundo em que a gente vive hoje. Aquilo que a gente entende que é desenvolvido, é insustentável pela sua própria natureza. Se o mundo inteiro for como a Europa e os Estados Unidos, não tem planeta que aguente”

Segundo o World Resources Initiative (WRI), historicamente, os Estados Unidos e a União Europeia são os principais emissores de gases de efeito estufa. Juntos, respondem por  37% do acumulado global de emissões.

Ainda de acordo com o WRI, “se considerarmos o histórico de emissões per capita, essa responsabilidade é ainda maior: EUA e UE teriam respectivamente 20 e 11 vezes o histórico de emissões per capita da Índia, por exemplo”.

emissões cumulativas dos países

Leia também: “Sustentabilidade já foi. Esquece. Agora é a hora da regeneração!”

Por que economia regenerativa?

Ao tratar “desenvolvimento sustentável” a partir da lógica econômica que nos trouxe até aqui, corremos o risco de permitir que o greenwashing bem embalado dite os rumos dos debates e das ações que surgem desse movimento.

Shirley Krenak também levantou essa bola em outro vídeo que publicamos a partir desta cobertura. Regenerar tem, sim, a ver com o meio ambiente, biomas e ecossistemas. Porém, também diz respeito à forma como vivemos nossas vidas e fazemos negócios.

Nas entrevistas que fizemos durante o B For Good Leaders Summit, ouvimos muito sobre a necessidade de virar a chave para a regeneração.

O vídeo abaixo fala sobre isso, traz exemplos práticos e mostra por que estamos diante de uma oportunidade – talvez inédita – de construir o país do futuro que há tanto tempo queremos ser. 

 Mais conteúdos dessa cobertura:

Quer receber conteúdo sobre a economia regenerativa em seu e-mail?
Assine nossa newsletter que traz uma curadoria de notícias, tendências, insights e ferramentas sobre ESG, desenvolvimento sustentável, negócios de impacto, inovação e clima.

João Guilherme Brotto

Jornalista e co-fundador de A Economia B. MBA em Desenvolvimento Sustentável e Economia Circular e Multiplicador B do Sistema B Brasil. Baseado na Espanha, está sempre viajando pela Europa para cobrir eventos e investigar tendências de sustentabilidade, regeneração e ESG.

1 Comentário

Clique aqui para publicar um comentário

  • […] Para especialistas, ainda há muito o que avançar nesta caminhada. Afinal, boa parte dos investimentos privados dependem de aportes dos bancos estatais de fomento, além do suporte dos Fundos de Previdência Complementar, públicos e privados. Estes últimos reúnem uma carteira de ativos estimada em R$ 2,5 trilhões, equivalentes a cerca de 30% do PIB nacional o que faz com que suas movimentações amplifiquem tendências e viabilizem novas classes de ativos, como os papéis lastreados em empresas com elevado nível de governança e focados na chamada economia regenerativa. […]

Série Estudos B

Guia para empresas