ESG ODS

Como as empresas podem ajudar a proteger o planeta?

Sua empresa se preocupa em proteger o planeta? Neste artigo, apresentamos seis caminhos possíveis para contribuir com a construção de uma economia mais sustentável, justa e inclusiva

22 de abril é o Dia da Terra. Essa é uma data para reforçar a importância de proteger o planeta e, também, para refletir sobre como nos relacionamos com o meio ambiente. Afinal, o aumento dos desastres climáticos – em intensidade e em frequência – deixa claro que não há mais tempo para inação. 

As empresas estão no centro dessa transformação tão necessária!

Em 2023, o tema do Dia da Terra é “Investir em nosso planeta”. A campanha, organizada globalmente pelo EARTHDAY.ORG, destaca a importância de dedicar tempo, recursos e energia para combater as mudanças climáticas e seus efeitos. 

“Em 2023, devemos nos unir novamente em parceria pelo planeta. Empresas, governos e sociedade civil são igualmente responsáveis por tomar medidas contra a crise climática e acender a chama para acelerar a mudança em direção a um futuro verde, próspero e equitativo. Devemos nos unir em nossa luta pela revolução verde e pela saúde das gerações futuras. O momento é agora para investir em nosso planeta”, disse Kathleen Rogers, presidente da EARTHDAY.ORG.

A seguir, conheça diferentes investimentos que as empresas podem fazer por nosso planeta e encontre caminhos (e materiais de apoio) para inserir a sua empresa nesse processo.

6 maneiras pelas quais as empresas podem ajudar a proteger o planeta

Existem diferentes estratégias de ação que sua empresa pode colocar em prática para ajudar a proteger o planeta e contribuir para que as transformações necessárias para garantir um futuro sustentável para todos aconteçam.

A seguir, listamos seis formas de o poder privado contribuir para a construção de uma nova economia, em que os negócios possam prosperar junto com o meio ambiente. Acompanhe!

 1) Incorporando a Agenda 2030 nas estratégias de crescimento da empresa 

Em 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. O documento apresenta 17 objetivos universais para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade – os ODS. São eles:Como agente importante de transformação, o poder privado tem um papel fundamental para o avanço dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A Agenda 2030 deve fazer parte das estratégias das organizações. Isso porque além de contribuírem para a resolução de problemas globais importantes – e que impactam diretamente os negócios –, os ODS apontam para oportunidades de inovação e de fortalecimento do relacionamento com o público.

A Agenda 2030 é especialmente relevante para as empresas porque reforça como os problemas que afetam o meio ambiente estão atrelados aos desafios sociais que impactam a humanidade.

Ao incorporar os ODS nas estratégias de crescimento empresarial, é possível construir caminhos para o desenvolvimento sustentável, cuidando do planeta e das pessoas.

Materiais de apoio:

2) Adotando boas práticas ambientais, sociais e de governança (ESG)

proteger o planeta
Foto: Freepik

A sigla ESG (do inglês, Environmental, Social and Governance) diz respeito a três áreas-chave para o desenvolvimento sustentável: meio ambiente, desenvolvimento social e governança. 

Meio Ambiente (Environmental

Os fatores ambientais estão relacionados à energia que a empresa utiliza e aos resíduos que ela gera. Ou seja, o E da sigla ESG diz respeito aos recursos que uma organização necessita para manter suas operações em dia – e os impactos de tudo isso no meio ambiente. Além disso, também se refere aos esforços para diminuição das emissões de CO2, que contribuem para o aceleramento das mudanças climáticas. 

Desenvolvimento social (Social

Os critérios sociais englobam os relacionamentos que a empresa tem e a reputação que fomenta com pessoas e instituições nas comunidades em que faz negócios. Portanto, nesse aspecto, analisam-se questões como diversidade e inclusão, relações de trabalho e direitos humanos. 

Governança (Governance

Governança é o sistema interno de práticas, controles e procedimentos que uma empresa adota para tomar decisões eficazes, cumprir a lei e atender às necessidades de todos os stakeholders. Assim, dentro dos critérios ESG, o G refere-se a um conjunto de regras ou princípios que definem direitos, responsabilidades e expectativas entre as diferentes partes interessadas na governança da empresas. 

O objetivo dos critérios ESG é simples: tornar as empresas mais sustentáveis, mais socialmente responsáveis e mais alinhadas em termos de processos e cumprimento da lei. 

Portanto, os fatores ESG podem ser utilizados como um guia de boas práticas de gestão que levam em conta o impacto das ações da empresa no meio ambiente e na sociedade. 

Materiais de apoio:

3) Participando de movimentos voltados para a construção de uma economia mais justa e inclusiva

proteger o planeta
Foto: fauxels/Pexels

Empresas que realmente se preocupam em proteger o planeta entendem que não é possível construir um futuro melhor sem levar em conta os impactos de suas operações no meio ambiente e nas pessoas.

É urgente ressignificar as métricas de sucesso no mundo corporativo. O lucro é importante, claro, mas não pode ser a única e principal referência para atestar um case de sucesso. 

Nesse sentido, cada vez mais movimentos empresariais ressaltam a importância de as empresas equilibrarem lucro e propósito.

Redes como as listadas abaixo agem para garantir que as empresas meçam os impactos de suas operações e que tenham estratégias voltadas à resolução de problemas socioambientais.

Materiais de apoio:

 4) Direcionando investimentos para apoiar a conservação dos ecossistemas e da biodiversidade global

proteger o planeta
Foto: Noah Buscher/Unsplash

As empresas também podem ajudar a proteger o planeta por meio de investimentos de impacto – ou seja, que têm o compromisso de gerar não só retorno financeiro, mas também impacto social e/ou ambiental mensurável. 

Na prática, ao mesmo tempo em que o investimento de impacto disponibiliza recursos para negócios de impacto social e/ou ambiental, proporciona retornos financeiros e socioambientais para investidores e viabiliza soluções inovadoras em larga escala para o enfrentamento dos desafios do nosso tempo.

Estimativas apontam que, em 2020, US$ 2.3 trilhões foram alocados em investimentos de impacto globalmente. No Brasil, os investimentos de impacto superaram a marca de R$1 bilhão, no mesmo ano.

Ou seja, esse é um mercado em crescimento e de grande relevância para o avanço das metas da Agenda 2030. Afinal, a inclusão financeira é  fundamental para o desenvolvimento sustentável, inclusivo e justo. 

Materiais de apoio:

5) Comprometendo-se com metas de redução e eliminação de emissões baseadas na ciência

Foto: jcomp/Freepik

O movimento global Science-based Targets (SBTi) – ou Metas Baseadas em Ciência* – oferece um caminho para empresas e instituições financeiras reduzirem suas emissões de gases de efeito estufa (GEE). 

*Para serem consideradas “baseadas na ciência”, tais metas precisam estar alinhadas ao que a ciência climática mais recente considera necessário para cumprir as metas do Acordo de Paris e limitar o aquecimento global a 1,5°C.   

Ao incluir metas baseadas na ciência em sua gestão de sustentabilidade, a empresa mostra que está efetivamente comprometida em diminuir e/ou zerar suas emissões. Assim, contribui para evitar desastres climáticos resultantes do aquecimento global – sobre o qual o poder privado tem uma enorme responsabilidade. 

Materiais de apoio:

 6) Tornando suas operações, produtos e serviços mais circulares

proteger o planeta
Foto: Polina Tankilevitch/Pexels

A economia circular é um modelo de produção e consumo que envolve compartilhar, alugar, reutilizar, consertar, reformar e reciclar materiais e produtos existentes pelo maior tempo possível – estendendo o ciclo de vida dos materiais existentes e evitando a extração de novos recursos. 

Quando se trata de diminuir os impactos ambientais no nosso planeta, a circularidade está no centro dos debates. Afinal, o reaproveitamento de materiais atende a dois problemas ambientais importantes: 

  • A imensa geração de resíduos que são descartados de forma irresponsável no meio ambiente;
  • O alto volume de emissão de CO2 resultante da fabricação de novos materiais.

Segundo o relatório anual que mede a lacuna de circularidade ao redor do mundo, a economia global está cada vez menos circular e depende cada vez mais de materiais de fontes virgens.

De acordo com o estudo, os materiais que são reciclados e voltam à economia global representam apenas 7,2% de todas as entradas de materiais na economia. Na prática, isso significa que mais de 90% dos materiais extraídos da natureza são desperdiçados ou perdidos.

As empresas têm o potencial de liderar a transformação do mercado rumo a uma economia circular – diminuindo e/ou eliminando o desperdício, a geração de resíduos e a necessidade de extração de novos recursos.

Para isso, os negócios podem implantar inovações de processos, produtos e serviços que usam menos recursos virgens e promovam uma vida mais longa aos recursos já extraídos. Neste sentido, é possível oferecer serviços de manutenção e facilitar a desmontagem dos produtos para reutilização ou reciclagem, por exemplo. 

Materiais de apoio:

O que sua empresa faz para proteger o planeta?

Caminhos para as empresas se unirem na luta para proteger o planeta existem. Escolha o(s) seu(s) e, neste Dia da Terra, dê um passo a mais para colaborar com a construção de uma economia mais sustentável, justa e inclusiva.

Quer receber conteúdo sobre a economia regenerativa em seu e-mail?
Assine nossa newsletter que traz uma curadoria de notícias, tendências, insights e ferramentas sobre ESG, desenvolvimento sustentável, negócios de impacto, inovação e clima.
Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.
Nome

Francine Pereira

Jornalista, especializada em criação de conteúdo digital. Há mais de 10 anos escrevo sobre tendências de consumo, inovação, tecnologia, empreendedorismo, marketing e vendas. Minha missão aqui no A Economia B é contar histórias de empresas que estão ajudando a transformar o mundo em um lugar mais justo, igualitário e sustentável.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário

Série Estudos B

Guia para empresas