ODS

O setor privado e a Agenda 2030: O papel das empresas no progresso dos ODS

Foto: Nicole Wilcox/Unsplash

Entenda como as empresas podem contribuir para o avanço dos ODS e saiba como alinhar operações e estratégias à Agenda 2030

Acabar com a pobreza e a fome, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade até 2030. Esse é o propósito dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) contemplados na Agenda 2030, lançada pela ONU em 2015. 

ods agenda 2030

O último relatório da Organização das Nações Unidas que monitora o progresso dos ODS revela um cenário preocupante: entre todas as metas da Agenda 2030, apenas duas caminham para serem alcançadas em 2030 – e oito estão retrocedendo.

De maneira geral, o progresso dos ODS permanece estagnado há três anos. Segundo a análise da ONU, quanto mais lenta é a evolução dos ODS, mais difícil e cara essa agenda se torna.

Para se ter uma ideia, calcula-se que para alcançar os ODS até o final dessa década seria necessário um financiamento anual de 4,2 trilhões de dólares, quase o dobro do que custava em 2019. 

Leia também: Marina Grossi: O impacto da Covid-19 na Agenda 2030 e o futuro pós-pandemia

O papel das empresas no avanço dos ODS

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indica que, nos países em desenvolvimento, o setor privado gera 60% do PIB, 90% dos empregos e 80% do fluxo de capital.

Além disso, as empresas são responsáveis pelos principais centros de inovação que podem mudar os mercados e desbloquear novos fluxos financeiros necessários para cumprir os ODS da Agenda 2030 e suas 169 metas subjacentes. 

Na prática, existem diferentes maneiras de setor privado contribuir para o avanço da Agenda 2030. Dentre as quais, destacam-se:

Leia também: Como as empresas podem ajudar a proteger o planeta?

3 desafios para adesão da Agenda 2030 pelas empresas

Mas existem alguns entraves para ampliar a adesão da Agenda 2030 por parte das empresas. Dentre eles, é possível destacar três:

1) Falta de conhecimento

Pra se ter uma ideia, de acordo com um levantamento da Rede Conhecimento Social, apenas 49% dos brasileiros sabem o que é ODS – 39% já ouviram falar, mas não têm conhecimento. 

Esse foi o mesmo cenário identificado em uma pesquisa feita no Reino Unido. O estudo realizado pela plataforma de conteúdo britânica Edie mostrou que menos de 20% das pequenas empresas estão cientes dos ODS, indicando uma lacuna significativa no conhecimento e na ação. 

2) Falta de alinhamento dos ODS com as estratégias da organização

21% dos participantes do estudo britânico citado anteriormente apontaram a desconexão entre os ODS e o propósito da empresa como principal obstáculo. 

Nessa mesma linha, uma análise do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) mostra que, na maioria dos casos, a agenda dos ODS é gerenciada principalmente pelo departamento de sustentabilidade, ou por ramificações na diretoria executiva. Esse isolamento na forma de tratar essa agenda dificulta a integração dos ODS em outras funções estratégicas importantes, incluindo finanças.

3) Falta de diretrizes claras

Por fim, outra dificuldade encontrada pelos empresários ao adotar a Agenda 2030 é a falta de diretrizes claras em relação a como integrar os ODS nas estratégias.

O WBCSD destaca que as organizações se sentiriam mais inclinadas a atuar nessa agenda se houvesse orientações regulamentares mais claras sobre a forma de o fazer.  

No estudo da Edie, por exemplo, 19% das pequenas empresas disseram que a falta de padronização em relação aos indicadores de performance dos ODS é um obstáculo significativo. 

Oportunidades da Agenda 2030 para os negócios

Agenda 2030 e as empresas
Foto: Michael Bryant/Unsplash

Segundo a Comissão de Negócios e Desenvolvimento Sustentável, atingir os ODS pode gerar aproximadamente 12 trilhões de dólares em oportunidades de mercado.

Essa estimativa considera quatro áreas principais da economia: alimentação e agricultura; urbanismo; energia e materiais; e saúde e bem-estar. Juntas, essas áreas representam em torno de 60% da economia global e são cruciais para o sucesso dos ODS.

Além disso, o impacto econômico total da implementação dos ODS pode ser ainda maior, possivelmente o dobro ou o triplo, se considerarmos os benefícios em toda a economia e um aumento significativo na produtividade do trabalho e dos recursos.

A ONU aponta como algumas das principais vantagens da Agenda 2030 para os negócios: 

  • Geração de receita por meio de novas oportunidades de mercado e inovação.
  • Retenção e atração de talentos.
  • Aumento da resiliência da cadeia de suprimentos, por meio do aumento no nível de sustentabilidade.
  • Aumento na percepção de valor por parte dos investidores.
  • Atualização em relação a futuras regulamentações que provavelmente se concentrarão em risco e sustentabilidade.

Além disso, na pesquisa realizada no Reino Unido, as pequenas empresas indicaram como os benefícios mais relevantes para a adoção dos ODS: 

  • Aumentar o foco das estratégias de sustentabilidade (53%)
  • Atender às demandas e expectativas dos consumidores (45%)
  • Identificar novos negócios e oportunidades (42%)

Passo a passo para implementar os ODS na estratégica das organizações

Caminho para implementar os ODS da Agenda 2030 na estratégica das organizações
Foto: John Towner/Unsplash

O relatório SDG Business Blueprint 2023 oferece um passo a passo para as empresas adotarem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em suas operações e estratégias. Ele é composto das seguintes etapas:

1) Mapeamento

O primeiro passo envolve mapear os principais temas na estratégia de sustentabilidade existente da empresa. Este mapeamento deve ser alinhado com os ODS relevantes para o setor de operação da empresa​​. 

2) Bases e integração

Uma vez identificados os ODS relevantes, as empresas precisam integrá-los em suas estratégias, operações e até indicadores-chave de desempenho (KPIs) para impulsionar o progresso. Isso inclui estar ciente dos conjuntos de dados necessários e utilizar frameworks de relatórios como TCFD e GRI para demonstrar progresso nos ODS​​. 

Leia também: Relatório de sustentabilidade: uma ferramenta de transparência e responsabilidade socioambiental

3) Progresso e ação

Após definir e internalizar os alvos, as empresas devem buscar maneiras de criar momentum e explorar o progresso. Isso pode incluir testes para implementar sistemas de energia renovável ou outras iniciativas sustentáveis alinhadas a ODS específicos​​. 

4) Relatórios e revisão

Este passo envolve a colaboração para desenvolver princípios, frameworks e recomendações para a integração adequada dos ODS nos planos financeiros corporativos. Além disso, diante de mudanças rápidas e desafios globais, é essencial revisar regularmente os planos de ação relacionados aos ODS.

Nesse sentido, é importante adaptar-se a novas tendências e considerar a inclusão de metas adicionais relacionadas aos ODS nas estratégias futuras. 

Materiais complementares:

Acompanhe nossa série sobre o progresso da Agenda 2030

Quer saber mais sobre o progresso de cada ODS, conhecer estratégias e práticas que as empresas podem adotar para contribuir para o avanço da Agenda 2030 e se inspirar com negócios que já estão atuando nesse sentido?

Leia os artigos da nossa série sobre o progresso da Agenda 2030:

Quer receber conteúdo sobre a economia regenerativa em seu e-mail?
Assine nossa newsletter que traz uma curadoria de notícias, tendências, insights e ferramentas sobre ESG, desenvolvimento sustentável, negócios de impacto, inovação e clima.
Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.
Nome

Francine Pereira

Jornalista, especializada em criação de conteúdo digital. Há mais de 10 anos escrevo sobre tendências de consumo, inovação, tecnologia, empreendedorismo, marketing e vendas. Minha missão aqui no A Economia B é contar histórias de empresas que estão ajudando a transformar o mundo em um lugar mais justo, igualitário e sustentável.

1 Comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Série Estudos B

Guia para empresas